Clientes

Nise da Silveira rejeitava a palavra paciente em relação aos internos dos hospitais psiquiátricos. Ela determinava o uso de clientes para reforçar a relação de troca, mas preferia sempre se referir a eles pelos nomes. Cada pessoa é um universo. São muitas as histórias de reações severas da doutora quando ouvia alguém se referir a seus clientes como pacientes.

Em uma entrevista, retrucou: “Paciente! Que coisa ruim. Paciente é uma coisa passiva. Que se trabalha em cima. Não chamo ninguém de paciente. Considero o maior insulto do mundo”.

Atividades no Engenho de Dentro/foto: autores desconhecidos/Arquivo Nise da Silveira

Compartilhe

Seção de vídeo

Afeto Catalisador

Martha Pires, artista visual e ex-monitora do ateliê do Museu de Imagens do Inconsciente, fala sobre o cliente Raphael Domingues (1973-1979). Nascido em 1913 em São Paulo, Raphael estudou desenho acadêmico no Liceu Literário Português. Foi internado aos 19 anos, mas apenas com 51 começou a frequentar o ateliê de pintura da Seção de Terapêutica Ocupacional. Participou de diversas exposições coletivas e individuais no Brasil e no exterior. Frequentou o ateliê até sua morte, em 1979.

Compartilhe

Seção de vídeo

José Elias

Entrevista com José Elias, cliente do ateliê do Museu de Imagens do Inconsciente

Compartilhe

Seção de vídeo

José Roberto

Entrevista com Zé Roberto, cliente do ateliê do Museu de Imagens do Inconsciente

Compartilhe

Seção de vídeo

Catia

Entrevista com Kátia, cliente do ateliê do Museu de Imagens do Inconsciente

Compartilhe

Seção de vídeo

Verônica

Entrevista com Verônica, cliente do ateliê do Museu de Imagens do Inconsciente

Compartilhe

Estudos

Os estudos realizados por Nise da Silveira com base na produção do ateliê eram realizados de maneira completamente individualizada, sem a criação de códigos rígidos que pudessem ser aplicados indiscriminadamente aos clientes. O afeto e o exercício de escuta que Nise fez nascer entre seus auxiliares e clientes estimulavam cada um a produzir livremente. A análise da série de imagens de um autor possibilitava a ela deduzir significados da produção.

Compartilhe

Como aconteceram transformações tão profundas do ser?

Content Thumb
Content Thumb

Nota de Nise sobre a cliente Adelina Gomes | Arquivo Nise da Silveira

Adelina Gomes (1916-1984)

Quando jovem, Adelina se apaixonou por um homem, mas sua mãe não aceitou o relacionamento, reprimindo a filha. Isso fez com que ela se retraísse cada dia mais, até que um dia, em um surto psicótico, estrangulou a gata de estimação da família. Diagnosticada com esquizofrenia, Adelina foi internada no Hospital Psiquiátrico de Engenho de Dentro, aos 21 anos. Em 1946, passou a frequentar o ateliê de pintura e modelagem, momento em que Nise realiza os estudos clínicos dos símbolos que surgem em suas obras. São principalmente imagens arquetípicas femininas – como a ninfa grega Dafne e as deusas gregas Deméter e Perséfone. Aparecem ainda com força as figuras do gato, da mãe, da filha, do homem e da mulher. Antes considerada uma pessoa agressiva e perigosa, Adelina, após o início de seu trabalho no ateliê, tornou-se mais tranquila e centrada. Até sua morte, produziu 17.500 obras, entre o abstracionismo e a figuração.

Compartilhe

Notas sobre o Acompanhamento de Isaac

Isaac Liberato (1906-1966)nasceu no Rio de Janeiro, em 1906. Filho único de uma família de posses, viveu isolado de outras crianças até os 8 anos. Aos 19, ingressou na Marinha Mercante como radiotelegrafista. No intervalo das viagens namorou uma vizinha, a contragosto da mãe. Casou-se com a jovem, mas três meses após a união rompeu com a esposa. Foi internado em 1930, aos 24 anos, iniciando seus trabalhos no ateliê de pintura logo após sua implantação, em setembro 1946. A linguagem verbal de Isaac é truncada e repleta de neologismos, no entanto, a linguagem plástica é fluída e conexa. Isaac utiliza-se do símbolo da árvore para representar seu relacionamento com a mãe. A árvore é protetora e nutridora, mas também pode sufocar o desenvolvimento de outras plantas. Ela, isolada, no contexto da vida de Isaac, parece representar seus impulsos para afirmar-se como indivíduo. A imagem da mulher é também constante em suas pinturas.  É como se ele tentasse, pelo estudo das diferentes expressões, se aprofundar no conhecimento do feminino. Produziu amplamente até sua morte, em 1966, aos 60 anos. Veja o verbete de Isaac na Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.